Está tudo tão estranho...

27-03-2020

Eu me empenhando com o meu melhor e por vezes sentindo que estou fazendo o pior, a mudança não é num tempo determinado é um processo de acomodação do que se sabe, do que se descobre e do que não se sabe.

Então, agradeço o que sei e celebro por aquilo que descubro. E o que não sei?

Não sei, foda-se!

Certeza que descobrirei no momento que tiver que ser, vou indo assim... um dia de cada vez.

Até dias atrás parecia que eu tinha tudo que eu precisava para seguir. Mas e agora? Agora parece que não, tô ouvindo que tenho que me reinventar, sério mesmo?

O que sou agora, com minhas certezas, dúvidas, objetivos, desejos e necessidades, não são suficientes? Parece que nunca estamos bons o suficiente.

Eu quero me reinventar para que? Para TER mais ou para SER mais?

Importa a economia girar? Girar pra quem?

O medo é de que?

Continuaremos nós indivíduos competitivos suando a camisa para ter o nosso e garantir o futuro?

Que futuro?

Ontem ri alto dançando com meu filho na cozinha e numa chamada de vídeo com meu afilhado, um momento que valeu por muita coisa.

Tomei café da manhã com meus pais, o resumo da conversa foi: a gente vai dá um jeito!

Para completar a loucura do mundo de agora, eu vi as 15h do Brasil o pôr do sol da Irlanda, numa caminhada com meu namorado por uma chamada de vídeo. Foi surreal ver o segundo pôr do sol as 18h de novo aqui.

Não é hora de julgar, mas compreender o que faz sentido para nossa sobrevivência ou será para se aprender a VIVER?

Hoje tomei suco do meu pé de couve. O objetivo é desintoxicar: meu corpo, minha alma e meu coração.

Seja luz!